Saudação

Olá! Este é um espaço de escrita criativa com um toque de humor, e expressão da minha vontade de me aproximar do poder revelador das palavras. Testemunho do meu envolvimento com a palavra com arte, e um jeito de dar vida à cultura que armazeno. Esta página é acessível (no modelo básico) também por dispositivo móvel. Esteja à vontade.

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Vou-me embora pra Brasília – com licença Bandeira


Por George W de B Cavalcanti*


Vou-me embora pra Brasília
Lá eu vou ter voz e vez
Lá tenho o lobby que quero
Com a turma que formei

Vou-me embora pra Brasília
Vou-me embora pra Brasília
Aqui me chamam de infeliz
Lá há salamaleques e mesuras
De tamoios inconsequentes
Que Joana a mãe da barganha
De um xodó grandiloquente
Vem a ser representante
Da hora de quem lá vive

E tome notícia bombástica
Que darei à massa quieta
Consultarei meu alfarrábio
Meterei o pau sem medo
Entornarei pinga com caviar!
E andando bem estribado
Deixo a lancha lá no lago
Mamo e lavo toda a mágoa
Para apagar da memória
Que no vento vai de fininho
Rota que não se vai achar
Vou-me embora pra Brasília

Em Brasília não me iludo
É usar a carnavalização
Trem bom em cima do muro
De impelir contravenção
Sem efeito eletrostático
Tem debiloide invocado
Tem corruptas infinitas
Para a mesa do jantar

E o contrabando lá não existe
Nem o clone mais perfeito
Quando afoito eu estiver
No estrangeiro vou passear
– Lá sou bacana, quase rei –
Torrarei caixa dois sem remédio
Tanta grana que nem sei
Vou-me embora pra Brasília

Rádios de Israel - escolha a estação

Antes de escolher uma rádio desligue outro áudio que estiver escutando.