Saudação

Olá! Este é um espaço de escrita criativa com um toque de humor, e expressão da minha vontade de me aproximar do poder revelador das palavras. Testemunho do meu envolvimento com a palavra com arte, e um jeito de dar vida à cultura que armazeno. Esta página é acessível (no modelo básico) também por dispositivo móvel. Esteja à vontade.

terça-feira, 13 de março de 2012

Gilda


Por George W de B Cavalcanti*
(texto atualizado em 16/02/2012 as 09:22)


Saudade, saudade...
Sensação possante,
envolvente e impactante;
o poder de uma emoção tardia.

Nem sempre relembrar é viver,
às vezes apenas sofrer, de novo;
se o cotidiano não a favorece
com uma dose maior de alegria.

Assim recorremos a ela
quase sempre sem perceber,
outras vezes conscientemente
em saudade ainda mais antiga
buscamos conforto e guarida;
como agora, ao relembrar Gilda.

Nos conhecemos na galeria
na convenção da frente política,
com as limitações de antanho;
as quais, ainda agora se mantém.
Mas, sei que no quesito virtudes
eramos intensos, e grandes amigos;
superlativos em plena adversidade
pelo forte vigor em nossas atitudes.

Cidadã inteligente,
consciente e politizada,
loquaz e sem cerimônia.
Podia ser Josefa ou Antonia
mas, era a minha amiga Gilda;
a aguerrida líder comunitária

Mulher de cor, negra vivaz, 
brasileira do povo, lutadora,
a ensinar-me pela convivência
que, em termos de humanidade
não existem raças e sim espécie;
com mais ou menos oportunidade.

Era extremosa ao incutir nos filhos 
amor à dignidade, vitória no saber,
pela valorização dos seus estudos,
para a graduação e prosperidade;
um belo exemplo de superação
para toda a negra comunidade.

Certo dia saímos
num feriado qualquer
em meu modesto carro;
dinheiro curto e ideais longos
e, combustível sempre quotizado.

A compartilhar outra vez
a alegria cotidiana barata
levamos suas crianças à praia;
a sorrir e envolvidos pelo afeto
que nem mesmo o tempo desgasta.

Cena que relembro embevecido,
com minha memória em ousadia,
neste passeio da alma pelo tempo;
sempre a fazer-me beber o novo
na fonte, o amargo-doce da vida.

De outra feita, nós dois
fomos pelos botecos da orla
a pesquisar os melhores petiscos;
e comida de panela para degustar
com a pureza cúmplice da amizade.

E, em meio ao diálogo engajado,
comentar a nova música popular
ou assistir ao folclore apresentado.
Até entre goles havia forte reflexão
ao discutir a cena política de então;
esperanças de melhor sociedade,
entre etílicos arroubos de emoção.

Mesmo em meio àquela realidade,
o fruto podre de presunçosa elite
inveterada e contumaz excludente,
a resistência brilhava como ouro;
e havia  memoráveis momentos
para guardarmos como tesouro.

Aquele amanhecer junto ao mar
em roda de samba no varadouro,
a Gilda leve, solta e livre a cantar
senhora de si de frente para o sol,
naquele dia que pegava no tranco;
quando ela banhada pela maresia
me dizia: "vamos levar esse povo
à vitória, meu irmãozinho branco".



(Ilustrações - fonte: Google Imagens)

Rádios de Israel - escolha a estação

Antes de escolher uma rádio desligue outro áudio que estiver escutando.