Saudação

Olá! Este é um espaço de escrita criativa com um toque de humor, e expressão da minha vontade de me aproximar do poder revelador das palavras. Testemunho do meu envolvimento com a palavra com arte, e um jeito de dar vida à cultura que armazeno. Esta página é acessível (no modelo básico) também por dispositivo móvel. Esteja à vontade.

domingo, 1 de abril de 2012

Lágrima incandescente

 Da. Gerusa (92); luto, pranto e reza no enterro do filho e da nora, em 29.02.2012



Por George W de B Cavalcanti*


Noites que me arrastam em nostalgia,
como a perseguir gemidos pelo mundo
e a empurrar lentamente os meus dias;
que os perco e ganho a cada segundo,
ao alcançar vitória em meio às agonias.

Enquanto prossigo a resistir ao açoite,
e, a mata frágil esconde ecos da serra
sem o som dos tambores da liberdade
há muito calados na barriga do monte;
o refúgio, na fuga ao chicote no lombo.

Nesse vale de onde sustento arranco,
a terra clama pelo sangue derramado,
há nódoa, desde tempos de quilombo
até o cotidiano das viúvas lado a lado;
guardo o fortim de quilombola branco.

Ser ingênua criança, caboclo de lança,
talvez o leigo monge eremita internauta
que na solidão à emoção faz cobrança
a colocar antiga locomotiva nos trilhos;
tocar as notas de partituras sem pauta.

Sobre solo sagrado há guerra libertária
além da porta fechada por exílio velado,
o noturno lamento é flexa incandescente;
minha lágrima de fogo sai do imaginário, 
ao rezar minha mãe pelo filho pranteado.




(Ilustrações - fonte: Google Imagens)

Rádios de Israel - escolha a estação

Antes de escolher uma rádio desligue outro áudio que estiver escutando.