Saudação

Olá! Este é um espaço de escrita criativa com um toque de humor, e expressão da minha vontade de me aproximar do poder revelador das palavras. Testemunho do meu envolvimento com a palavra com arte, e um jeito de dar vida à cultura que armazeno. Esta página é acessível (no modelo básico) também por dispositivo móvel. Esteja à vontade.

quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

Cotidiana Miragem

Por George W B Cavalcanti


Meu cotidiano é circunstancia adversa,
Que faz desabrochar ao pensar parabólico;
Porque a sede de afeto só encontra a miragem.
Sou um novo nômade a trilhar corações de areia,
E o meu versejar árido se faz assim tão metaforico,
A se derramar em teclas e no cristal da tela colorida.

Desalentado e triste sigo a caminhar sozinho,
Em fatigante duna que minha emoção permeia;
Revivido pela lembrança que é névoa e refrigério.
Essa brisa, bruma breve que sorvo com sofreguidão,
Dessedenta-me e faz com que a estranha solidão passe.
No letárgico contar de horas e no fluir de uma esperança,
A tremular fugaz na miragem do oásis de um novo enlace.

Refugio-me à sombra da lembrança marcante,
De um momento de amor em total cumplicidade,
Que me aplaca a carência com sofrer e saudade.
Socorre-me a memória essa doce pretérita imagem,
Sombra solícita e gentil do prazer bem compartilhado;
Em íntimas e intensas trocas de aromas, hálito e alento,
Aquela excitação havida e demarcada pela boca e narina,
Volúpia e mutação de desejo que ensejou ao beijo molhado.

Imaginação percorre espaço em tempo reverso,
Sinto tudo em derredor transmutado em colméia,
Qual simétrico simulácro daquele toque anatômico,
O universo mágico construído em seu exíguo espaço,
Por abelha absorta a laborar e, seu milagre adocicado.
Sou zangão escolhido para um supremo gozo simulado,
E busco encontro etéreo no abraço da impiedosa rainha;
Obstinado par naquele vôo em espiral alço à culminância,
Mas, sobrevivo incólume ao transe dessa vil circunstância.

Volto à fantasia e vejo o meu singrar,
De navegante que é porto farol e nau,
Com vento a favor ao navegar o fluido.
A coragem em riste a abrir um caminho,
Recebe guarida em mucosas róseas e lilás;
Naquela arca de tesouro recatada e brilhante,
Entre instigantes formas e no vértice das coxas.
Percebo-me apenas memórias e sou total solidão,
Embarcado em desejos estou no devaneio à deriva,
A estranhar ser só em meio a estrelas e sóis virtuais.


União dos Palmares - AL, 29 de julho de 2008.

Rádios de Israel - escolha a estação

Antes de escolher uma rádio desligue outro áudio que estiver escutando.